Relacionamento

Cerquinha, ploc, pamonha ou encantado: Qual tipo de relacionamento é o seu?

Descubra qual tipo de relacionamento é o seu pois existem vários tipos como por exemplo relacionamento cerquinha, ploc, pamonha ou encantado.

Além disso, não é segredo para ninguém que existe mais de um tipo de relacionamento.

tipo de relacionamento

Por exemplo, quem não conhece aquele casal que vive terminando e voltando por conta de brigas?

Ou aqueles que se dão super bem, sempre estão juntos e dificilmente brigam? Segundo a especialista em uroginecologia e coach Cátia Damasceno, cada casal deve olhar com atenção para o seu relacionamento para que consiga identificar em qual categoria se encaixa.

Para ajudar, ela lista os tipos de relacionamentos e algumas dicas para reverter problemas naqueles que não andam muito bem.

Portanto, descubra qual tipo de relacionamento é o seu:

Relacionamento cerquinha: 

Esse tipo de relacionamento é aquele que não parece ser de verdade. “É chamado de ‘cerquinha’ porque uma pessoa dentro da relação (ou as duas) não sabem nomear o relacionamento”, explica a coach.

Isso acaba acontecendo no começo de um namoro, quando um casal está ficando, mas ainda se apresenta como amigos para os outros.

O lado negativo disso é estar prendendo a pessoa. Segundo Catia, quando as expectativas estão claras, cada parte do relacionamento é capaz de decidir de quer seguir em frente e ser fiel ou de deseja conhecer outras pessoas.

A melhor forma de reverter isso é conversar com o parceiro, alinhar as ambições de cada um e ver o que os dois querem dentro dessa relação.

Relacionamento Pamonha:

Esse é bem conhecido e fácil de se identificar. Trata-se daquele casal que perdeu o interesse um pelo outro, ou seja, não existe mais a vontade de estarem juntos e chegam a preferirem outras companhias.

O relacionamento pamonha é mais comum em relações longas. “É normal que aconteça depois de 3, 4, 5 anos.

Mesmo porque algumas pesquisas já revelam que a paixão tem duração de cerca de 3 anos, depois disso, vira amor e nessa fase pode virar um relacionamento pamonha”, conta Cátia.

Procurar ficar sozinha com o parceiro, buscar novidades e sair da rotina é a melhor maneira de deixar essa fase ruim de lado, segundo a especialista.

Relacionamento encantado:

O nome desse relacionamento não esconde que é o melhor tipo de relação entre as citadas aqui. Segundo Cátia, esse é considerado o relacionamento dos sonhos.
“É como se estivesse num dia lindo, com o céu azul. Por isso, este relacionamento é praticamente perfeito, pois permite a plenitude de uma relação repleta de felicidade, carinho, intimidade e novidades constantes”, explica a especialista.

O mais importante no relacionamento encantado e mantê-lo sempre assim.

Por isso, não deixe de conversar com seu parceiro. Além disso, tenha amor próprio para elevar sua autoestima e ser feliz com seu amor.

É importante ressaltar que um mesmo casal pode e provavelmente vá passar por todos esses tipos de relações.

“Todo relacionamento já teve sua fase cerquinha, principalmente no começo, logo em seguido entra naquela fase do relacionamento encantado, onde tudo é alegria, é a fase da paixão.

Aí a gente entra no relacionamento ploc, ou no relacionamento pamonha, porque um está dentro do outro, onde os casais param de se beijar e vão entrando nessa rotina chata”, explica a coach.

Relacionamento Ploc:

Esse relacionamento é típico daqueles casais que vêm perdendo a intimidade. Eles passam a deixar alguns costumes de lado, como o beijo, e passam a dar apenas alguns selinhos.

Apesar disso, eles continuam conversando e se respeitando.

Mas por que um casal simplesmente para de se beijar? “Por conta da rotina, falta de interesse no outro, a falta de interesse no relacionamento e de mantê-lo aceso, interessante.

O beijo é a primeira coisa que acaba dentro desse relacionamento”, esclarece a coach.

A dica para solucionar um relacionamento que não anda muito bem é simples, mas valiosa: inove.

“A inovação é o que realmente agrada, é o que realmente satisfaz não apenas o casal, mas as pessoas.

Quando você está bem com você mesmo, você consegue ir bem em outras relações”, finaliza.

Sair da versão mobile