Vídeo Revela: Como Conquistar o Homem dos seus Sonhos e se Tornar uma Mulher IRRESISTÍVEL.

Coloque o seu e-mail:

Dicas de Saúde

Odor Forte na Região Íntima: O que Pode Ser?

Antes de ler o Artigo, Curta-nos Abaixo!

Odor Forte na Região Íntima: O que Pode Ser?
3.4 (68.18%) 22 votes

Odor Forte na Região Íntima: O que Pode Ser? Além disso, é comum a mulher notar um cheiro característico na vagina. A região produz substâncias, tais como suor, gordura e secreções, que exalam odor. Mais do que natural, esse ambiente é fundamental para a saúde íntima da mulher e, por isso, não deve ser modificado com o uso de duchas ou desodorante genital na tentativa de eliminar o odor, já que esses produtos podem favorecer infecções, doenças e até piora no cheiro.

No entanto, isso não significa que qualquer odor deva ser ignorado. A ginecologista Bárbara Murayama, da Clínica da Mulher do Hospital 9 de Julho, explica que, enquanto o cheiro normal é “suave, não incomoda a mulher ou pessoas em volta e é bem característico, não se assemelhando a nenhum outro cheiro”, o odor forte que pode indicar a presença de infecções é diferente, geralmente similar ao de peixe podre e facilmente notado pela mulher.

“Ao notar mudanças no cheiro comum da vagina, é preciso procurar um médico, pois é sinal de problema”, alerta. A especialista afirma que o odor forte pode ser sintoma de algumas condições, sendo que a mais comum é a infecção por bactéria ou vírus.

Infecção Por Bactéria: Quando o cheiro é tão forte que incomoda a própria mulher e pessoas ao redor, é sinal de problema “Existem muitas bactérias que fazem parte da nossa flora vaginal, mas, quando elas conseguem se proliferar mais do que deveriam, causam corrimento e cheiro forte”, afirma a ginecologista. Isso pode ocorrer por uma simples mudança no ambiente íntimo, causada, por exemplo, pelo uso de calcinhas apertadas e de material sintético, duchas internas, desodorante íntimo e muitos outros fatores.

Infecção Por Vírus: Algumas Doenças Sexualmente Transmissíveis e outras infecções por vírus também podem alterar o odor da região íntima. É o caso da tricomoníase, DST que causa corrimento com odor forte. “Neste caso, é preciso tratar também o parceiro, que não necessariamente irá apresentar sintomas”, afirma a especialista.

Câncer de Colo do Útero: “Em casos mais avançados e raros, a mulher pode estar com câncer de colo do útero, que causa secreção e um odor muito fétido”, diz Dra. Bárbara.

Falta de Higiene: Há ainda a possibilidade de a mulher não higienizar corretamente a vulva, o que ocasiona o cheiro ruim. Segundo a ginecologista, é necessário usar apenas água e sabão e higienizar bem as “dobrinhas” entre os grandes e pequenos lábios e ao redor do clitóris, abrindo com os dedos e permitindo que escorra bastante água.

Outros Sintomas: Dificilmente a alteração de odor ocorre isoladamente quando há alguma doença. Na maioria dos casos, são observados outros sintomas, como coceira, dor pélvica, sangramento nas relações sexuais ou fora do período menstrual, entre outras.

Riscos: Além das consequências da própria condição, qualquer mudança no ambienta da vagina favorece a entrada de outras doenças, pois reduz a imunidade. “Quando há uma infecção vaginal, é crucial investigar outras doenças, pois há grandes chances de existirem. Em geral, são infecções silenciosas, como a clamídia, que sobe direto para as trompas e não provoca sintomas”, alerta a especialista.

Se não tratadas, essas condições podem causar câncer e infertilidade, nos quadros mais graves. A visita ao ginecologista é muito importante, já que o odor forte pode ser sinal de uma DST ou outra doença séria.

O que Fazer ao Notar Cheiro Forte na Vagina: É fundamental que a mulher procure seu ginecologista assim que observar alteração no odor comum da vagina. O tratamento prescrito pode se estender para o parceiro sexual no caso de uma DST.

O que Não Fazer: Não tome qualquer medida paliativa, como ducha interna para acabar com odor e corrimento, produtos para mascarar o cheiro, absorvente diário para conter secreções, banhos em excesso, etc. “Estas soluções podem piorar muito o quadro. Além disso, pode se tratar de uma DST importante e, por trás dela, até mesmo o câncer de colo do útero. É necessário investigar e tratar corretamente”, enfatiza Dra. Bárbara.

Gostou do Artigo? Então, Curta-nos Abaixo!

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

Comentários

Recomendados Para Você:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.